Superman & Lois | DC FanDome apresenta bastidores da série


A 2ª temporada de Superman & Lois foi confirmada com base nos altos índices de audiência, logo após seu episódio piloto, que foi ao ar em fevereiro de 2021.

A série não apenas chamou a atenção dos fãs do Arrowverso, como daqueles que não costumavam acompanhar os seriados da CW. Seu painel exclusivo no DC FanDome, trouxe curiosidades dos bastidores da produção, com a atriz Elizabeth Tulloch (Lois Lane) e Alex Garfin (Jordan Kent) à frente. A segunda temporada teve as filmagens iniciadas em setembro deste ano.


Além de Tyler Hoechlin e Elizabeth Tulloch interpretando, respectivamente, Superman e Lois, o elenco é formado por Jordan Elsass e Alex Garfin, que vivem os gêmeos Jonathan e Jordan Kent. Enquanto que Emmanuelle Chriqui interpreta Lana Lang, Erik Valdez vive Kyle Cushing, o marido de Lang e a atriz Inde Navarrette é Sarah Cushing, a filha do casal.

A série é produzida por Greg Berlanti e Todd Helbing, ex-showrunner de The Flash, é um dos roteiristas e produtores. Geoff Johns e Sarah Schechter são os produtores executivos do projeto.

Texto criado em 16/10/2021 | Publicado em Terraverso

A 2ª temporada de Superman & Lois foi confirmada com base nos altos índices de audiência, logo após seu episódio piloto, que foi ao ar ...

Adão Negro | Prévia do filme é divulgado no DC FanDome


A cada dia, mais nos aproximamos da realidade dessa frase de Dwayne Johnson: "A hierarquia de poder da DC está prestes a mudar"! Após anos, o filme Adão Negro saiu do papel e em breve estaremos desfrutando deste projeto que vem sendo debatido, desde 2014.

Sem a divulgação antecipada da programação, a edição, deste ano, do DC FanDome fez os fãs ficarem atentos a cada painel exibido, na expectativa de qual seria o próximo. Não foi diferente com o painel do longa Adão Negro, que apresentou finalmente o visual do anti-herói em um incrível vídeo com a cena inicial do filme. Confira abaixo:


O elenco de Adão Negro traz, além de Dwayne Johnson interpretando o protagonista, Aldis Hodge (Straight Outta Compton - A História do N.W.A), Sarah Shahi (Sex/Life), Pierce Brosnan (007), Noah Centineo (Franquia: Para todos os Garotos) e Marwan Kenzari (Aladdin).

Com a direção de Jaume Collet-Serra (A Orfã) e o roteiro de Adam Szytkiel, o filme possui estreia marcada para 29 de Julho de 2022.

Texto criado em 16/10/2021 | Publicado em Terraverso

A cada dia, mais nos aproximamos da realidade dessa frase de Dwayne Johnson: "A hierarquia de poder da DC está prestes a mudar"! ...

Multiverso DC | O universo dos seriados da DC se fortaleceu nas falhas do DCEU

Calma! Antes que ache que esse texto é para falar que as séries televisivas são melhores que o universo cinematográfico, não é nada disso. Sabemos que o orçamento dedicado ao CWverso (ou Arrowverso) vem sendo cada vez menor e que alguns shows respiram através de aparelhos, mas que foram importantes para angariar novos tipos de públicos e gerar grandes feitos, como o marcante crossover entre os Flash’s do cinema (Ezra Miller) e televisivo (Grant Gustin). Além de novas séries que surpreenderam o público, como Superman & Lois.

Talvez pelas séries televisivas não serem o foco principal dos fãs mais vorazes, tenha sido o motivo do universo compartilhado do Arrowverso fluir melhor do que nos cinemas. Sem a responsabilidade de agradar a crítica, as séries trilharam um caminho próprio com seus crossovers anuais, até chamarem a atenção com o grande evento Crise nas Infinitas Terras, que trouxe Ezra Miller, mostrando que o multiverso apresentado nos seriados não se limitava apenas na TV, mas atingia o universo cinematográfico.

Ezra Miller e Grant Gustin no evento televisivo Crise das Infinitas Terras.

Com todo enredo de desistências, mudanças, trocas, regravações que o DCEU passou nos últimos cinco anos, fica fácil complicar a cabeça até do fã mais atento, afinal, não sabemos a ordem dos eventos de cada filme, mesmo que isso não interfira na qualidade individual. Mas, infelizmente, muitas informações são obtidas em entrevistas ou, quando apresentadas nos filmes, um enorme ponto de interrogação surge. Vemos isso em O Esquadrão Suicida: o vilão Sanguinário está preso por deixar o Superman na UTI após atingi-lo com uma bala de kryptonita. Seria unânime dizermos que se trata do Superman interpretado por Henry Cavill, mas nem mesmo o diretor James Gunn sabe responder essa pergunta e prefere deixar em aberto.

E, por mais que o universo cinematográfico iniciado por Zack Snyder, em 2013, esteja completamente fora de cogitação pela atual gestão do estúdio, ainda assim serve como guia de localização. Também fica claro vermos como alguns arcos foram simplesmente abandonados, mesmo que tivesse suas histórias rabiscadas numa breve apresentação, deixando a porta aberta para um futuro próximo. Cyborg Ã© um dos primeiros nomes que vêm à mente quando trata-se de produções canceladas. Com seu próprio filme sendo anunciado, engavetado e anulado, entre outras situações pesadas que rolaram nos bastidores com o protagonista do personagem, Ray Fisher.

Mas outro personagem extremamente injustiçado foi Ryan Choi (interpretado por Ryan Zheng). O diretor Zack Snyder apresentou à Warner Bros. a ideia de fazer um spin-off do Átomo/Ryan Choi, ambientado na China, com um elenco predominantemente chinês, mas o estúdio além de não aprovar, cortou a participação do personagem no filme que seria apresentado em Liga da Justiça, de 2017. E só este ano, com o lançamento de Liga da Justiça de Zack Snyder, pela HBO Max, pudemos ver sua participação que dava indícios de um futuro dentro do universo.

 

Ryan Zheng, como Ryan Choi, no Snyder Cut.

Apesar de não ser um personagem efetivo na batalha contra o Lobo da Estepe, em Liga da Justiça de Zack Snyder, Ryan Choi apareceu como um cientista do STAR Labs e ajudou Dr. Silas Stone com a caixa materna. Mais tarde, ele foi promovido a diretor de nanotecnologia, uma leve “provocação” para o potencial de seu personagem, que fazia alusão ao seu futuro como um super-herói.

Em paralelo, na televisão, temos um Ryan mais desenvolvido, com esposa, filha e com o público aprendendo sobre o que ele faz para viver. Seu trabalho na manipulação da densidade subatômica também é crucial, sugerindo sua eventual transformação no Átomo, um super-herói que pode mudar de tamanho. Interpretado pelo ator Osric Chau, o personagem retornará no novo crossover televisivo que acontecerá em The Flash, no início de novembro, num especial de cinco partes, intitulado Armageddon.

Apesar da identidade secreta de Átomo, no Arrowverso, ser de Ray Palmer (interpretado por Brandon Routh), é possível, que Ray passe esse manto para Ryan, durante os eventos do novo crossover, já que Choi é seu sucessor nos quadrinhos, além de significar que seu retorno, pós Crises das Infinitas Terras, pode mostrar seu destino como super-herói cumprido. Mas, indiferentemente, qualquer que seja a história esperada por Ryan, no evento Armageddon, de The Flash, o Arrowverso foi capaz de utilizar o personagem de uma forma que Snyder, infelizmente, não conseguiu, devido às circunstâncias em torno de seu envolvimento na DCEU.

Osric Chau, como Ryan Choi, em Arrowverso.

Por justamente ser um universo que muitas pessoas não ligam, o Arrowverso ou CWverso (como preferirem) não é algo que chama a atenção do grande público, apesar de ter fãs leais. A tranquilidade de não atingir grandes expectativas se torna em acerto quando conseguem dar segmento e importância à personagens que deveriam ter o mesmo peso em suas versões cinematográficas.

Apesar de O Esquadrão Suicida, ter gerado o spin-off para a série Pacificador, um original da HBO Max, fica a dúvida em sabermos o quanto expandido é esse atual universo cinematográfico da DC. Talvez, o destino do DCEU ficará mais claro após o filme The Flash, que contará com diversas participações e poderá, de fato, explicar o que a Warner pretende fazer com a DC nas grandes telas.

Texto criado em 31/08/2021 | Publicado em Terraverso

Calma! Antes que ache que esse texto é para falar que as séries televisivas são melhores que o universo cinematográfico, não é nada disso....

Especial Esquadrão | O singular vilão: Capitão Bumerangue!


Muitos não dão a devida atenção ao Capitão Bumerangue, chegando até a desvalorizarem o personagem. Porém, verdade seja dita, ele é um dos vilões mais originais dos quadrinhos.

Capitão Bumerangue teve sua primeira aparição na década de 60, sendo inserido como um dos bandidos da cidade de Central City, a residência do herói Flash. George “Digger” Harkness é um criminoso letal, resiliente e muito habilidoso com bumerangues! (Olha, quem diria?!) É um dos vilões mais recorrentes nas HQ’s do Flash, aparecendo em mais de 500 quadrinhos da DC Comics.

 


Digger Harkness nasceu na Austrália e cresceu em extrema pobreza. Muito cedo, foi para os Estados Unidos, onde conseguiu um emprego como dublê e garoto-propaganda de uma linha de bumerangue de uma fábrica de brinquedos. Com o passar do tempo, os negócios começaram a dar errado e, achando que não haviam opções, Digger usou sua fantasia de garoto-propaganda para conseguir dinheiro, caindo no gosto da vida criminal.

Assim, surgiu o Capitão Bumerangue, um vigarista que faz qualquer coisa para ganhar dinheiro. Boomer, como também é conhecido, não possui superpoderes, porém, tem habilidades em produzir bumerangues personalizados e alterados que podem explodir, cortar e voltar para ele de maneira inteligente. Ele acaba criando um arsenal de diversos tipos de bumerangues, dos quais manuseia de forma letal. Harkness não é um homem de personalidade tranquila. Ele possui um temperamento explosivo, o que faz com que ataque até mesmo seus aliados, no menor indicativo de provocação.

Em suas primeiras aparições, atuava sempre sozinho, mas com o passar do tempo se tornou membro da equipe do Esquadrão Suicida, embora não seja muito bom em trabalhar com mais pessoas. Obrigava-se a realizar serviços ao governo dos Estados Unidos por pressão da tirana Amanda Waller, diretora do Esquadrão, em troca de viver fora das grades da prisão Belle Reve.

 


Apesar de sua regularidade como integrante do Esquadrão Suicida, Boomer é um dos integrantes mais odiados da equipe. Frequentemente faz comentários racistas e sexistas sobre seus companheiros de time e não é um cara confiável, pois costuma trair seus colegas. Tem uma personalidade que incomoda até mesmo aqueles que são vilões. Apesar de ser, praticamente, uma “persona non grata” (embora essa característica mude um pouco, dependendo de quem está escrevendo), Capitão Bumerangue surpreende por sua constância no Esquadrão, nos levando a crer que sua presença é tolerada devido sua eficiência nas tarefas destinadas.

Além dos quadrinhos, já vimos mais do Capitão Bumerangue em animações, jogos de videogames, séries televisivas e no cinema, onde foi interpretado pelo ator australiano Jai Courtney, que viveu o vilão em “Esquadrão Suicida” (2016) e voltará a interpretá-lo no novo longa, do diretor James Gunn. Nas telas, o vilão é apresentado como uma figura mais agradável do que conhecemos nos quadrinhos, mantendo alguns pontos similares, como: sua antipatia por Amanda Waller (Viola Davis) e seu lado manipulador. No longa, Boomer foi o mais explosivo em suas ações, sendo capaz de atacar os guardas, mesmo estando “desarmado” de seus bumerangues.

 

 

O ator Jai Courtney, recentemente, falou sobre o personagem no novo filme do Esquadrão Suicida e o que podemos esperar dele. Em entrevista para o Coming Soon, o ator foi questionado como se sentiria caso sua participação fosse especial, com o personagem morrendo no início do filme: “Obviamente, não posso falar sobre isso, mas ficaria desapontado caso acontecesse”. Aparentemente, pode ser um sinal que o personagem não morrerá, já que ele também falou para ScreenRant que torce para um filme com foco na relação entre Flash e Capitão Bumerangue.

 

Breve encontro entre Flash e Capitão Bumerangue | “Esquadrão Suicida” (2016)
 

Se dependesse do ator, certamente já teria algo em desenvolvimento, mas ele sabe que a decisão não está em suas mãos. Porém, uma coisa é certa: a disposição de Jai Courtney para interpretar o Capitão Bumerangue, mais uma vez na telona, nós temos! Basta torcer para podermos ver mais do vilão em ação, fora da equipe suicida, encarando seu arquirrival direto, o Flash.

A data de lançamento de “O Esquadrão Suicida” está marcada para o dia 5 de agosto de 2021.

 

Texto criado em 24/07/2021 | Publicado em Terraverso

Muitos não dão a devida atenção ao Capitão Bumerangue , chegando até a desvalorizarem o personagem. Porém, verdade seja dita, ele é um dos v...

O Esquadrão Suicida | David Ayer elogia o novo filme de James Gunn, e desabafa sobre as críticas

Com o lançamento de O Esquadrão Suicida chegando, e as primeiras impressões do filme sendo positivas, as comparações com o filme lançado por David Ayer estão cada vez menos inevitáveis, porém, as críticas chegaram a outro nível. Fazendo o diretor do primeiro longa postar uma carta emocionante, em sua rede social, onde elogiou James Gunn e revelou informações sobre o filme de 2016.

 

 

Após inúmeros apontamentos, parece que o diretor resolver falar falar, iniciando um texto com “Minha vez…”

 

Eu coloquei minha vida em Esquadrão Suicida. Fiz algo incrível – meu corte é uma jornada intrincada e emocional com algumas “pessoas más” que são cagadas e descartadas (um tema que ressoa em minha alma). O corte do estúdio não é meu filme. Leia de novo. E minha versão não é a versão do diretor de 10 semanas – é uma edição totalmente madura de Lee Smith sobre o trabalho incrível de John Gilroy. É tudo uma trilha sonora brilhante de Steven Price, sem uma única música de rádio na coisa toda. Tem arcos de personagem tradicionais, performances incríveis, uma resolução sólida de terceiro ato. Um punhado de pessoas viu isso. […] Nunca contei o meu lado da história e nunca contarei … Sou da velha guarda assim. Então, mantive minha boca fechada e recebi o tsunami de críticas pessoais às vezes chocantes. 

 

O diretor concluiu dizendo que está “tão orgulhoso” de Gunn e “Eu apoio WB e estou emocionado que a franquia esteja conseguindo as pernas de que precisa… O trabalho brilhante de James fará milagres de milagres”, e que “Não vou mais falar publicamente sobre o assunto”. A tradução na íntegra da carta, com informações pessoais da vida do diretor, vocês podem conferir aqui.

 

Antes do lançamento de Esquadrão Suicida, de 2016, a Warner Bros. deu um passo incomum de encomendar vários cortes do filme a vários editores. Gilroy foi creditado na versão teatral. Na época, a Warner Bros. emitiu um comunicado admitindo que o filme teve “muita experimentação e colaboração ao longo do caminho”, mas disse: “Estamos muito orgulhosos do resultado… Este é um filme de David Ayer”.

 

Desde então, a Warner Bros. passou por uma extensa mudança de regime em 2019 e 2020, que incluiu Ann Sarnoff sendo nomeada CEO da WarnerMedia. Na corrida por fora, após o sinal verde que Liga da Justiça de Zack Snyder seria lançado, alguns fãs pediram pelo lançamento do corte de Ayer para Esquadrão Suicida. No entanto, o estúdio rejeitou a ideia, com Sarnoff dizendo à Variety em março: “Não iremos desenvolver a versão de David Ayer”. Quando a matéria foi publicada, Ayer twittou: “Por quê?“.  A Warner Bros. não fez comentários imediatos.

 

O Esquadrão Suicida, com direção de James Gunn, terá o retorno de Viola Davis como Amanda Waller, Margot Robbie como Harley Quinn, Joel Kinnaman como Coronel Rick Flag e Jai Courtney como o Capitão Bumerangue. Juntando-se a eles no filme estão David Dastmalchian como Homem das Bolinhas, Steve Agee como Tubarão-Rei, Daniela Melchior como Caça-Ratos 2, Idris Elba como Sanguinário, John Cena como Pacificador, Nathan Fillion como TDK, Pete Davidson como Blackguard, Flula Borg como Javelin , Mayling Ng como Mongal, Peter Capaldi como o Pensador, Michael Rooker como Savant, Alice Braga como Sol Soria e Sean Gunn como Weasel.

 

O filme está previsto para ser lançado nos cinemas, do Brasil, no dia 05 de Agosto.

 Texto criado em 29/07/2021 | Publicado em Terraverso

Com o lançamento de O Esquadrão Suicida chegando, e as primeiras impressões do filme sendo positivas, as comparações com o filme lançado po...

Liga da Justiça | Blu-ray do Snyder Cut é a maior pré-venda da história da Amazon Brasil

Desde o lançamento da loja de DVDs e Blu-rays da Amazon Brasil, nunca existiu uma pré-venda como essa de Liga da Justiça.

Segundo o relatório informado aos parceiros e associados da Amazon Brasil, é a maior pré-venda da história do site, desde agosto de 2019, data de lançamento no país.

Não só a pré-venda acaba sendo mais um marco da força dos fãs, como o pedido de lançamento do Blu-ray no Brasil foi através de uma campanha relâmpago, que foi atendida prontamente pela distribuição da mídia física em território nacional.

A informação veio diretamente da Live do Blog do Jotacê (parceiro da Amazon), com colecionadores de mídia física, que comentaram e vibraram com o sucesso de vendas do Blu-Ray de Liga da Justiça de Zack Snyder. (Claro, havendo sempre suas exceções, porque onde há Zack Snyder, dificil haver unanimidade). O que importa é que Snyder Cut, que completou ontem três meses de seu lançamento, é um sucesso que tem de tudo para ser atemporal.

Aqui no Brasil, o longa de quatro horas ficou disponível apenas para aluguel entre 18 de Março à 07 de Abril, nas principais plataformas digitais. E voltará legalmente ao Brasil dentro de dez dias, na estreia do novo streaming HBO Max, dia 29 de Junho.

A pré-venda de Liga da Justiça de Zack Snyder continua no site da Amazon Brasil, e usando o código JC10, você garante 10% de desconto na compra. O Blu-ray tem data de lançamento para 16 de Julho.

Texto criado em 19/06/2021 | Publicado em Terraverso e SnyderCutBR

Desde o lançamento da loja de DVDs e Blu-rays da Amazon Brasil , nunca existiu uma pré-venda como essa de Liga da Justiça . Segundo o relató...

Liga da Justiça | Jason Momoa afirma que não participou de refilmagem para o Snyder Cut

 

Jason Momoa esteve na última quinta-feira no The Tonight Show do apresentador Jimmy Fallon, e falou um pouco sobre a edição de quatro horas de Liga da Justiça de Zack Snyder.

O ator que interpreta o Aquaman diz que surpreende os fãs quando confirma que não fez refilmagem para a obra lançada neste ano pela HBO Max. Houve algumas novas filmagens para outros membros do elenco, incluindo a inclusão do Coringa de Jared Leto.

O legal dessa peça de quatro horas é que eu não refilmei nada. Tudo isso já estava lá. É engraçado quando as pessoas vêm até mim e dizem: ‘Eu amei isso! Foi tão detalhado e muito explicado’. E eu digo: ‘Sim, é isso que pretendíamos fazer’. Eu amo o Zack e [o filme inteiro] é meio que eu me inscrevi há oito anos; para ter sua visão.


O ator vai reprisar seu papel no próximo filme solo do herói. James Wan, o diretor do longa, revelou o título da sequência em sua conta do Instagram: “Aquaman e o Reino Perdido” (tradução livre). Amber Heard e Patrick Wilson devem retornar na continuação, reprisando respectivamente os papeis de Mera e Orm.


Aquaman and the Lost Kingdom
tem data de lançamento prevista para 16 de dezembro de 2022.


Via: The Hollywood Reporter

Texto criado em 11/06/2021 | Publicado em Terraverso

  Jason Momoa esteve na última quinta-feira no The Tonight Show do apresentador Jimmy Fallon , e falou um pouco sobre a edição de quatro ...

Superman | Após o tratamento a Ray Fisher, um Superman negro parece uma distração



Infelizmente, uma minoria barulhenta, transformou esse assunto em um festival de nojeiras e preconceitos, travestidas de opinião, impedindo de pontuarmos o real motivo pela indignação dos fãs do movimento acharem que o anúncio de um Superman negro é uma atitude cirandeira do estúdio. Como fã, é óbvio que quero muito ver um Superman negro nos cinemas, mas para isso, o estúdio precisa ter responsabilidade antes do entretenimento.

Por isso trago a vocês, mais um artigo traduzido, sobre um assunto que chegou distorcido entre fãs e influenciadores brasileiros. Publicado pela colunista Princess Weekes, uma mulher negra, que pontuou cirurgicamente como a euforia momentânea desse anúncio, se quebra diante os fatos.

Após o tratamento a Ray Fisher, um Superman negro parece uma distração.

A notícia que a Warner Bros. pretende dar ao próximo filme do Superman uma liderança negra, tomou conta da internet. O prolífico escritor Ta-Nehisi Coates, um homem negro, já foi nomeado o roteirista. O estúdio também está em busca de um diretor negro, segundo The Hollywood Reporter. Tudo isso, em qualquer outra situação, seriam motivo para muita empolgação, mas na esteira de várias decisões da Warner Bros., começando com as alegações de Ray Fisher sobre maus-tratos no set da "Liga da Justiça", esta parece ser uma decisão performativa da empresa.

Agora, de acordo com o  THR, o que sabemos sobre a situação é que, em fevereiro, a Warner Bros. contratou o escritor e jornalista Ta-Nehisi Coates para escrever o roteiro de um novo filme do Superman, com produção de J.J. Abrams. Embora as ideias para a história estejam em constante mudança, é dito que este filme do Superman não fará "parte do universo, a partir de agora", e que será desenvolvido em alguma época do século XX.

Assim, podendo obter um Superman negro da era dos Direitos Civis. Em um universo alternativo onde Ray Fisher não tinha falado sobre os problemas que enfrentou na Warner Bros., isso seria uma boa notícia. Mas vivemos nesta linha do tempo, o que complica quaisquer intenções que o estúdio possa ter.

Fisher diz que ele e os executivos do filme discordaram sobre como retratar Ciborgue fisicamente e emocionalmente, o que foi relatado em um artigo feito pelo site THR. (Confira a notícia em português aqui).

Fisher diz que ouviu mais tarde sobre conversas em que os executivos discutiram sobre o desejo de evitar um "homem negro raivoso" no centro do filme e, para evitar a tropa, eles aconselharam Fisher a interpretar o personagem menos como Frankenstein e mais como Quasimodo (Cordunda de Notre Dame), com uma postura curvada que Fisher diz que imediatamente leu para ser servil.

Mas não parece que alguém estava aberto para ouvir o ponto de Fisher de que esse seria seu próprio estereótipo inaceitável para um personagem negro. Fisher disse a Geoff Johns que uma coisa é uma pessoa não negra escrever um personagem para uma história em quadrinhos, mas outra coisa é um ator negro retratar esse personagem na tela.

"Era como se ele estivesse presumindo como os negros reagiriam, em vez de seguir o conselho do único negro - até onde eu sei - com qualquer tipo de impacto criativo no projeto. [...] Essa foi a última conversa criativa sobre qualquer coisa que Geoff Johns e eu tivemos. Eu sabia que estava sozinho". Disse Fisher.

O papel de Ray como Ciborgue foi, sem dúvida, uma grande parte da visão original de Zack Snyder do filme, e foi modificado a um papel quase imperceptível no corte da "Liga da Justiça" dirigido por Joss Whedon.

Entre as muitas informações compartilhadas naquele perfil, também foi revelado que a série do canal SyFy, "Krypton", queria escolher alguém não tradicional para interpretar o avô do Superman, e teve-se a oportunidade de escalar a  estrela de "Bridgerton", Regé-Jean Page. No entanto, Geoff Johns, que estava supervisionando o projeto, disse que Superman não poderia ter um avô negro.
 
E agora estamos supostamente trabalhando
em um projeto do Superman negro?
 
O que também faz esses movimentos parecerem ainda mais performativos é que, por um bom tempo, foi dito que DC/WB iria se concentrar mais em Supergirl, já que seus recentes episódios de Superman não renderam os frutos esperados. A atriz latina, Sasha Calle, foi escalada para interpretar a Kara Zor-El.

O filme "Novos Deuses", de Ava DuVerney, foi abandonado sem motivo aparente e, em vez do popular Lanterna Verde John Stewart, foi anunciado que Finn Wittrock interpretaria o Lanterna Guy Gardner.

O que isso potencialmente faz é colocar o próximo talento negro contra Ray Fisher. Um talento negro neste momento responderá pelos pecados de um estúdio quando estiver tentando ter sucesso em uma produção que não se concentra restritamente em recrutar um talento negro.

Adoraríamos um Superman negro. Acho que um Superman de qualquer etnia diferente da branca funcionaria bem por vários motivos. No entanto, a realidade é que agora esse curso está contaminado. Está manchado por todas as coisas que vieram antes dele, e pelo fato de Ray Fisher, ainda, não ter nenhum trabalho no Universo DC, apesar de ter apresentado uma das melhores atuações em "Liga da Justiça de Zack Snyder".

Em qualquer outra situação, uma função como essa levaria a spinoff, mas como ele está pedindo um tipo de responsabilidade que poderia levar à perda de empregos, ele foi visto como dispensável. Isso lembra de quando Nicole Beharie deixou "Sleepy Hollow" no que era claramente uma situação complicada, e então ela foi substituída por outra mulher de cor não negra.

"É uma distração que torna difícil para nós, fãs negros que amam DC e querem vê-los tomando decisões progressivas sobre o elenco, mas também apoiam Ray Fisher em pedir-lhes que sejam responsabilizados pelo ambiente tóxico que eles permitiram que apodrecesse — Um ambiente que existiu nas telas grandes e pequenas de DC".

Finalizou Princess Weekes, em seu artigo para o site The Mary Sue.

Infelizmente, uma minoria barulhenta, transformou esse assunto em um festival de nojeiras e preconceitos, travestidas de opinião, impedindo...

Entrevista | Wayne T. Carr conversa com SnyderCutBR


No mês passado (abril), foi realizada a segunda edição de Justice Con, uma convenção online sobre os projetos do diretor Zack Snyder, incluindo o universo cinematográfico da DC Comics.

Em seu painel, o diretor confirmou que Wayne T. Carr seria o Lanterna Verde (John Stewart), em "Liga da Justiça". A cena foi substituída pela aparição do Caçador de Marte, pois o estúdio não permitiu o uso do personagem, alegando possuir outros planos para ele no live-action. O plano original era que John Stewart e Kilowog aparecessem juntos para Bruce, na cena final.

Munida dessa informação, a fanbase SnyderCutBR foi em busca de uma nova entrevista. Com ele, o próprio: John Stewart, do Snyderverse. Wayne, em meio a diversas entrevistas que está cedendo nas últimas semanas, reservou um espaço para conversar diretamente com a galera do Brasil. E fez um vídeo se arriscando, voluntariamente, no português. Confira abaixo:




SNYDERCUTBR: Olá, Wayne. É um prazer recebê-lo em nosso hall de entrevistados. Tivemos a honra de conversarmos com o diretor Zack Snyder e você é o primeiro ator do elenco que entrevistamos. Apesar de não vermos o "Lanterna Verde" no filme, sabemos que você gravou a cena. Conte-nos como chegou esse convite.

WAYNE T. CARR: Meu amigo, Ray Fisher (Cyborg) me apresentou a Zack Snyder. Zack disse a Ray que a HBO Max estava permitindo que ele divulgasse sua visão de Liga da Justiça e que ele queria incluir John Stewart. Ray disse a ele que eu seria uma boa escolha para interpretar John. Zack e eu tivemos várias conversas por telefone sobre a possibilidade e a próxima coisa que eu soube é que ele me escalou. Eu filmei a cena na casa de Zack, mas infelizmente ele não teve permissão para manter a cena no filme.

 

Zack Snyder divulgou os bastidores da cena gravada na garagem de sua casa | Reprodução Vero

SCBR: O que me deixa mais feliz é que estou tendo a honra de entrevistar o ator que deu vida a um dos meus heróis preferidos: Lanterna Verde, John Stewart. Espero, de verdade, poder ter esse universo restaurado e vê-lo em ação com o anel verde. Você teve alguma participação para a construção do personagem, assim como Ray Fisher teve ao criar Victor Stone/Cyborg?

WTC: Tive a honra de poder ajudar Zack a concluir o que ele queria mostrar no filme. Não falamos muito sobre a construção do caráter, falamos sobre o estilo de cabelo e pensei se John teria luvas ou não. Mas não passamos muito disso, porque a cena era muito curta. Se Zack, algum dia, for capaz de expandir o personagem em outro filme, eu adoraria ajudar a construir o personagem.
 
Arte visual do Lanterna Verde baseada em Wayne T. Carr.
 
SCBR: Wayne, sabemos que a indústria de Hollywood é muito concorrida e ingressar na carreira artística não é fácil, como alguns pensam. Fale-nos como decidiu seguir a carreira de ator e qual trabalho fez você ver que estava no caminho certo?

WTC: Eu amo contadores de histórias. Bem, eu sempre soube, mas não sabia que você poderia seguir uma carreira fazendo isso, até que eu estivesse quase formado na faculdade. Quando comecei a estudar teatro na faculdade, foi onde percebi que era isso que eu faria de alguma forma pelo resto da minha vida. Então, eu sabia que estava no caminho certo, quando percebi que não me importava com quanto dinheiro ganharia em minha carreira de ator, mas iria atuar de qualquer maneira.

SCBR: O que foi imprescindível para conseguir seu primeiro papel como ator?

WTC: Meu primeiro papel como ator profissional exigia que eu tivesse uma foto promocional e um currículo. Mas, particularmente, eu precisava ter coragem para me tornar vulnerável. E eu precisava ter fé de que poderia fazer o trabalho. Foi assim que consegui meu primeiro papel de ator.
 
SCBR: Você e Ray Fisher são amigos. Aliás, ele quem apresentou você ao diretor Zack Snyder. Qual a ligação de vocês fora das telas? Se conheceram através da arte?

WTC: Ray e eu nos conhecemos fazendo teatro. Estávamos em um show juntos, em um lugar chamado 'Oregon Shakespeare Festival', em Ashland - Oregon.

SCBR: Mesmo com sua cena sendo barrada pela estúdio, quando os fãs descobriram quem interpretou John Stewart, automaticamente, colocaram você no grupo e lhe deram boas-vindas. Você esperava essa recepção do público, mesmo não aparecendo no filme? Como se sente fazendo parte de um movimento tão inédito na indústria do cinema?

WTC: Os fãs foram incrivelmente receptivos. Eu esperava que os fãs ficassem chateados com o estúdio, mas não esperava apoio e incentivo dirigidos a mim. Sou grato por ser bem recebido à base de fãs.

SCBR: Como foi a gravação da cena? Você chegou vê-la editada e finalizada?

WTC: Filmamos na garagem de Zack e na frente de uma tela verde. Eu não vi a edição finalizada. Não tenho certeza se ele conseguiu terminar o VFX dela.

Gravações da cena vetada pela Warner Bros.

SCBR: Zack falou, em algumas entrevistas, que quando gravou a cena achava que o estúdio não a manteria. Você, em algum momento, achou que o estúdio liberaria essa cena? O que achou e o que sentiu sobre essa decisão?

WTC: Fiquei desapontado porque eles não permitiram que a cena aparecesse no filme. Primeiro, eu queria estar na história da visão de Zack. Mas, também, é a visão dele, eu achei que nada deveria ser cortado.

SCBR: Numa possibilidade de continuação de Liga da Justiça, você voltaria a interpretar o Lanterna Verde, dessa vez com mais tempo de tela? Que tipo de narrativa você gostaria de interpretar?

WTC: Se Zack for capaz de continuar Liga da Justiça, eu adoraria trazer John Stewart de volta. E eu adoraria colaborar com Snyder na narrativa.

SCBR: Os heróis fazem parte da nossa cultura popular. Se você pudesse escolher outro herói para interpretar, quem você escolheria e por quê?

WTC: Essa é uma pergunta difícil, porque muda dependendo do meu humor. Mas agora, eu diria Senhor Destino. Eu gostaria de poder apenas colocar um capacete e lançar um feitiço agora.


SCBR: Wayne, muito obrigado pela sua disponibilidade. Saiba que a fanbase, aqui do Brasil tem um carinho muito grande pelo personagem Lanterna Verde, de John Stewart, e torce para vê-lo dando vida àquela arte conceitual baseada em você. Para nós, você já faz parte do time!

WTC: Eu quem agradeço, obrigado pelo contato! Foi um prazer e espero poder ajudar a trazer John Stewart completamente à vida, em breve.

---------- 
 
Essa foi mais uma entrevista que a fanbase SnyderCutBR teve a honra de realizar, espero que tenham gostado. E aí, ficaram esperançosos com #RestoreTheSnyderVerse?
 

No mês passado (abril), foi realizada a segunda edição de Justice Con , uma convenção online sobre os projetos do diretor Zack Snyder , incl...

Super Choque | Michael B. Jordan dá atualizações do filme e fala sobre os rumores do Superman

 

Michael B. Jordan, parece ser o nome do momento, nas vésperas de estrear seu novo filme, "Sem Remorso", na Amazon Prime, já está gravando um novo drama dirigido por Denzel Washington, e em breve fará sua estreia como diretor em Creed 3, além de protagonizar o filme. E claro, "só" é o nome mais citado para viver o próximo Superman.

 

Jordan é um conhecedor e fã declarado de histórias em quadrinhos, já viveu os personagens Tocha Humana (Quarteto Fantástico), Kilmonger (Pantera Negra) e agora está produzindo seu próprio filme de super-herói, a adaptação de Static Shock (Super Choque) para Warner Bros. Pictures e DC Films. O filme contará a história de Virgil Hawkins, um jovem negro que ganha energia elétrica após contato com uma substância radioativa.

 

O site Collider perguntou ao ator e produtor como as coisas estavam indo em relação ao Super Choque, Jordan revelou que foi inspirado pelo herói quando criança.

 

No momento temos um escritor, Randy McKinnon, que está montando um esboço agora, muito animado... Quero dizer, de novo, como criança cresci assistindo Super Choque, foi algo que me inspirou. E ter esse tipo de representação desde muito jovem, foi muito importante para mim. E eu sei que seria importante para muitas outras crianças hoje. Então, para ser capaz de adaptar a versão live-action disso, estou muito, muito animado. Portanto, não há cronogramas reais e acho que não há atualizações reais ou algo assim. Mas estamos no processo de construção disso. E eu mal posso esperar ter algo a mais para contar a vocês.

 

Michael sempre foi um nome citado entre os fãs sobre a possibilidade de interpretar o Superman nos cinemas, prova disso são as milhares de montagens espalhadas pela rede com seu rosto com o brasão da casa El. Recentemente, foi revelado que Ta-Nehisi Coates está escrevendo uma nova versão do Superman com a produção de J.J. Abrams. Com o projeto sendo desenvolvido, surgiram rumores de que Jordan se reuniu com a Warner Bros. para conversar sobre a possibilidade de interpretar o Superman no novo filme. O ator falou há alguma verdade dele assumir o personagem icônico.


Estou lisonjeado por continuar falando sobre esses rumores para interpretar um personagem como esse. Quero dizer, você sabe, dizem que interpretei tantos personagens diferentes ao longo dos anos. Quer dizer, neste ponto, é lisonjeador, sou humilde quanto a isso. E quem quer que assuma esse papel, será definitivamente algo a se procurar.


Não parece que Jordan interpretará o Superman neste momento. Principalmente por sua agenda cheia com os projetos citados. com os projetos citados. Portanto, se a Warner Bros. quiser priorizar este filme do Superman, é improvável que Jordan esteja disponível.

Texto criado em 29/04/2021 | Publicado em Terraverso

  Michael B. Jordan , parece ser o nome do momento, nas vésperas de estrear seu novo filme, "Sem Remorso" , na Amazon Prime , já e...

Liga da Justiça de Zack Snyder | Últimos acontecimentos do movimento #RestoreTheSnyderVerse

 

Segundo o Samba TV, a "Liga da Justiça de Zack Snyder" não é mais o Top 3 de filmes mais assistido da HBO Max. O posto ficou com as produções: Mulher-Maravilha 1984, Godzilla vs Kong e Mortal Kombat. A Warner optou por lançar os filmes, simultaneamente, nos cinemas e no streaming, devido a pandemia.

A informação não é vista de modo negativo, pois vale lembrar que o marketing de Snyder Cut foi feito praticamente pelos fãs, que se empenharam em debates e orientações, nas redes sociais, para mostrar que se tratava de um novo filme, com uma narrativa totalmente diferente, e não apenas uma versão do diretor contendo cenas extras.

Com um marketing abaixo do esperado (para uma produção que internamente diziam que seria um impulsor de assinaturas do streaming) e um plano de distribuição mundial descompromissado (que teve reversão do status por pressão dos fãs), a Liga da Justiça ainda assim se saiu muito bem para um longa que possui quatro horas de duração, e que foi divulgado pela fanbase.

Houve demora nas divulgações oficiais do filme, ficando a cargo do diretor e de uma equipe de fãs, começarem o "esquenta". É óbvio, que o apoio chegou nos minutos finais com a conta oficial do longa e páginas da HBO Max, o mínimo esperado, já que a produção estava saindo com o título de "Original Max" (é bom ressaltar que as redes oficiais da Warner Bros não fizeram nenhuma divulgação sobre o Snyder Cut. Até mesmo no Brasil, o filme foi divulgado apenas na rede adjacente, Warner Play, ficando de fora da rede primária). Quando tudo parecia se alinhar para a grande estreia, o filme teve o inacreditável vazamento dentro do PRÓPRIA plataforma, faltando 10 dias para o lançamento. Um vazamento que não foi explicado e que arranca risadas, por parte dos fãs, pelo amadorismo (ou tentativa de sabotagem) da situação.

Mesmo com tudo isso, no dia de seu lançamento, o filme conseguiu recordes de aluguéis em diversas plataformas do mundo, gerando congestionamentos e quedas de servidores, por tamanha procura. O próprio servidor da HBO Max teve alta demanda de acesso no dia da estreia de "Liga da Justiça de Zack Snyder", chegando a cair diversas vezes. O diretor Zack Snyder agradeceu o feito em suas redes. (O fato não ocorreu, curiosamente, com nenhum outro lançamento da Warner).

 

 

Com base nos números não-oficiais (já que parece haver um impasse para divulgar a audiência real que o filme atingiu), chega ser desleal comparar um filme que foi vandalizado, em 2017, segundo o próprio roteirista Chris Terrio (fato que o estúdio possui forte resistência em reconhecer), à produções inéditas das quais a Warner Bros aposta e divulga como se fossem as únicas "filhas da casa".

Mesmo com a ótima recepção da crítica sobre o filme, alguns blogueiros/insiders/youtubers parecem estar sempre dispostos a falar mal da visão de Snyder para a Liga da Justiça. Tudo indica que sempre darão um jeito de tentar reduzir o impacto cultural que "Zack Snyder's Justice League" (e todo seu movimento) teve na indústria cinematográfica.

O filme foi aclamado e teve o devido reconhecimento até dos mais céticos, arrancando inúmeros elogios de sites que detonaram, na época, a "Liga da Josstiça" (Joss Whedon). A visão de Snyder chegou a ser chamada de "obra-prima épica", mas mesmo com todos esses pontos favoráveis, é comum vermos notícias e artigos debochados, como se Snyder Cut competisse com os demais colegas de estúdio. Curiosamente, os responsáveis dessas publicações, são os mesmos que buscavam no passado, as pontuações negativas da crítica para endossar seus argumentos. Hoje, com a situação diferente, apelam para qualquer coisa que reforce sua visão pessoal, e dão de aos elogios da crítica. Afinal, para eles, isso é uma situação mutável, o que importa é tentar diminuir a produção de Snyder em toda e qualquer disputam que eles acham ser cabível. E se para isso terão que mudar de critério de qualidade a cada semana, farão. (Tudo pelo hate).

Não estou insinuando nada, mas parece que agora o site "queridinho" deixou de ser parâmetro.
O importante é ~aniquilar~ o Snyder Cut, não importa a qualidade.


Na última terça-feira (28), os fãs americanos começaram a levantar a tag #CancelHBOMax, devido a um compartilhamento feito por uma das contas oficiais do streaming. A conta do Twitter Inside HBO Max, deu RT em um tweet que ironizava o fato do filme estar fora do Top 3 dos mais assistidos na plataforma. O autor da postagem é publicamente conhecido por falar mal do filme e dos fãs, de forma pejorativa.

REPRODUÇÃO TWITTER

O RT foi desfeito pela conta rapidamente, ficando apenas as mentions fervorosas de reclamação do fandom sobre a falta de respeito da plataforma com uma produção que carrega o título de "Original Max". Uns acreditam que o RT pode ter sido feito precipitadamente, antes do social media ter lido completamente o tweet, outros nem tanto. Mas o fato de não haver uma atenção com os fãs da "Liga da Justiça de Zack Snyder", acaba frustrando uma comunidade que divulgou em peso a plataforma.

Sabemos o quanto é cansativo e até humilhante esse tipo de tratamento, onde táticas de Gaslighting* são utilizadas com o objetivo de intitular toda uma comunidade como tóxicos e fanáticos. Uma comunidade que fez muito pela saúde mental com recordes de doações para Fundação Americana de Prevenção do Suicídio, e agora fazendo o mesmo aqui no Brasil, com a campanha similar sobre Valorização a Vida, ao lado da CVV.
*Forma de abuso psicológico na qual informações são distorcidas, seletivamente omitidas para favorecer o abusador.

Como a fanpage @dcumoviepage citou, ao assumirmos que somos "produtores associados de ZSJL", adotamos, de certa forma, a carga emocional de desenvolvimento para recebermos a épica live-action da maior equipe de heróis da cultura pop, que nos foi negada e tomada, em 2017.

Fica quem acha que ainda consegue, despede-se quem acha que não suporta mais. Mas, acima de tudo, fica o respeito e gratidão por tudo que conseguimos enquanto juntos. Não esqueçam que, mesmo com a raiva sobre alguns acontecimentos, o Snyder Cut não teria acontecido sem a HBO Max. Sejamos agradecidos por isso, mas claro, limitando aos infelizes acontecimentos, que parecem possuir um padrão, em se tratando da "Liga da Justiça de Zack Snyder".

A fanbase @SnyderCutBR continuará mantendo todo respeito e apoiando o trabalho do diretor.

  Segundo o Samba TV , a "Liga da Justiça de Zack Snyder" não é mais o Top 3 de filmes mais assistido da HBO Max . O posto ficou...

Justice Con 2021 | Confira o que rolou nos painéis da convenção digital de fãs do Snyderverse

Entre os dias 16 à 18 de Abril, foi realizada a segunda edição de Justice Con, uma convenção online sobre os projetos do diretor Zack Snyder, incluindo o universo cinematográfico da DC Comics.


Com concursos de cosplayers e workshops, a Justice Con trouxe painéis exclusivos com alguns atores de "Liga da Justiça de Zack Snyder". O evento não trouxe nenhum anúncio bombástico, justamente por ser organizado de fãs para fãs, o que não impediu de termos curiosidades durante os dias de programação.

 

O ator Ray Fisher trouxe uma fala que pode ser considerada animadora. Ele estaria disposto a se reconciliar com a Warner Bros, se isso significasse que ele poderia voltar a interpretar o Ciborgue no filme "The Flash". Acontece que, para isso, Fisher ainda quer uma responsabilidade do estúdio, sobre os eventos relatados por ele.

 

Acho que podemos começar com um reconhecimento, um pedido de desculpas, do que é publicamente conhecido como um problema... Acho que é aí que começa a responsabilidade.

 

Joe Manganiello, o Exterminador, também teve seu próprio painel e trouxe muitas curiosidades sobre o projeto que desenvolveu para Deathstroke e o roteiro cancelado de "The Batman", produzido por Ben Affleck.

 

Alguns dos personagens regulares de Batman que aparecem não iriam sobreviver. Teria sido uma limpeza de casa em muitos aspectos.

 

Manganiello também revelou que Ben Affleck vazou o teste de câmera do Deathroke sem pedir autorização a ninguém, antes de embarcar em um avião, para que ele pudesse ficar longe do telefone por horas sem que ninguém pudesse "gritar com ele".

 


 Joe Manganiello descreveu como seria o seu projeto solo de Slade Wilson com o diretor Gareth Evans: "Deathstroke seria a versão de Tom Clancy de (Rambo) First Blood". Seria uma espécie de história de vingança sobre o que aconteceu em Washington DC e no governo dos EUA. Além de relevar os personagens estariam na produção, como: Talia Al Ghul, Wintergreen, Adaline, Grant e Jericho.

 

O roteirista Chris Terrio falou sobre o projeto "The Batman" (Ben Affleck). Além de afirmar que o roteiro é incrível, falou que veríamos uma versão diferente do que já vimos do personagem.

 

Estou desapontado por não termos visto essa versão do Batman." - Disse Terrio, em sua participação no painel do diretor Zack Snyder.

 

Os dois falaram sobre "Batman vs. Superman" e como o título foi escolhido pelo estúdio, e não por eles. Zack tinha em mente algo mais poético, ou até mesmo mais simples, como: Man of Steel: Battle of Knight; Man of Steel: Knight Falls; Justice League: Foundation; ou Justice League: Rising. Mas o estúdio considerou "agressivo".

 

Chris e Zack não entenderam o motivo de colocar "Batman versus Superman" no título, pois o filme não era resumido a isso e sim à origem da Liga da Justiça.

 

Snyder afirmou que se, algum dia, ele fizer a adaptação de The Dark Knight Returns, faria o Batman exatamente do jeito que Frank Miller o desenhou: "Com a cueca inclusa!".

 

O diretor confirmou que Wayne T. Carr seria o Lanterna Verde John Stewart, em "Liga da Justiça". A cena foi substituída pela aparição do Caçador de Marte, pois o estúdio não permitiu o uso do personagem, alegando possuir outros planos para ele no live-action. O plano original era que John Stewart (Wayne T. Carr) e Kilowog aparecessem juntos para Bruce, na cena final.

 

Após ser questionado sobre o movimento massivo #RestoreTheSnyderVerse nas redes, Zack foi sincero e disse que nunca ignoraria a devoção dos fãs pelo seu trabalho. Nunca diria para "esquecê-lo", pois tudo o que aconteceu para tornar #SnyderCut uma realidade era "impossível". Ao ser perguntado se aceitaria restaurar seu universo, Zack respondeu:

 

Não sei quem me perguntaria, mas se fossem vocês os responsáveis pela Warner Bros, claro que sim.

 

O roteirista Chris Terrio também mostrou disposição em retomar para uma continuação. Basicamente, Zack mostrou que não depende dele a decisão da continuação do Snyderverse, mas se mostra disponível para retomar, caso receba o sinal verde.

 

Jay Oliva também teve seu próprio painel e entregou que, após a finalização do arco de cinco filmes que seriam entregues por Zack Snyder, o diretor estava contemplando um filme Flashpoint (como havia sido anunciado na época), muito semelhante aos eventos dos quadrinhos, com uma guerra entre Atlantes e Amazonas, que exigiria que o Flash voltasse no tempo para reiniciar.

 

Liga da Justiça de Zack Snyder esteve disponível no Brasil pelas plataformas digitais entre 18 de Março à 07 de Abril, para aluguel. E retornará com a estreia do streaming HBO Max, em Junho.


Texto criado em 18/04/2021 | Publicado em Terraverso

 

Entre os dias 16 à 18 de Abril, foi realizada a segunda edição de Justice Con , uma convenção online sobre os projetos do diretor Zack Snyde...

OFF | Army of the Dead, saiba mais sobre o novo filme de Zack Snyder



Após o lançamento do tão esperado "Liga da Justiça de Zack Snyder", o diretor está pronto para um novo passo. Nos últimos dias, Snyder esquentou suas redes sociais com pôsteres coloridos de seu novo filme de zumbi "Army of the Dead: Invasão em Las Vegas". A produção, que é original da Netflix, teve seu trailer divulgado nesta terça-feira (13).


 
O trailer foi divulgado um pouco antes para um grupo de fãs, que se juntou ao Zack Snyder e Dave Bautista, para uma rodada de curiosidades sobre o filme, seguindo, logo após, apenas com Zack numa sessão de "Perguntas e Respostas". Podemos ver nele duas categorias de zumbis: os normais (lentos e menos perigosos) e os alfas (velozes, inteligentes e que se unem em grupos).

"Army of The Dead" marca o início do universo cinematográfico do diretor na Netflix. Há um filme prequel focado no personagem Ludwig Dieter, interpretado por Matthias Scheweighöfer em "Army of The Dead", que será produzido na Alemanha e mostrará o impacto internacional da infestação de zumbis.

E, também, haverá a série de anime "Army of the Dead: Lost Vegas", mostrando a origem do personagem Scott, interpretado por Dave Bautista. Snyder dirigirá dois episódios, com Jay Oliva, diretor de várias animações da DC Comics.

Dave Bautista e Zack Snyder no set de filmagem.
  • Sinopse: Do cineasta Zack Snyder (300, O Homem de Aço, ZS Justice League), o filme Army of the Dead: Invasão em Las Vegas é ambientado em Las Vegas após um surto zumbi deixar a cidade em ruínas. Scott Ward (Dave Bautista), um desabrigado de Vegas e ex-herói da guerra zumbi que agora vende hambúrgueres nos arredores da cidade, é abordado pelo magnata dos cassinos Bly Tanaka (Hiroyuki Sanada) com uma proposta tentadora: invadir a cidade cheia de zumbis para roubar 200 milhões de dólares de um cofre antes de o governo bombardear Vegas em 32 horas.

    Motivado pela esperança de que a recompensa possa ajudar na reconciliação com sua filha, Kate (Ella Purnell), Ward assume o desafio e monta uma equipe de especialistas para o grande roubo. Entre eles: Maria Cruz (Ana de la Reguera), uma mecânica de primeira e velha amiga de Ward; Vanderohe (Omari Hardwick), uma máquina de matar zumbis; Marianne Peters (Tig Notaro), uma piloto de helicóptero um tanto quanto cínica; Mikey Guzman (Raúl Castillo), um influenciador do tipo “é tudo ou nada”, e sua amiga inseparável Chambers (Samantha Win); além de Martin (Garret Dillahunt), o chefe de segurança do cassino; uma guerreira durona conhecida como Coyote (Nora Arnezeder), que recruta Burt Cummings (Theo Rossi), um segurança não muito confiável, e, por fim, um brilhante arrombador de cofres alemão chamado Dieter (Matthias Schweighöfer).

    Ward se depara com um obstáculo emocional quando Kate se junta à expedição para procurar Geeta (Huma Qureshi), uma mãe que desapareceu. Com o tempo passando, um cofre notoriamente difícil de abrir e uma horda de zumbis mais inteligente e rápida se aproximando, apenas uma coisa é certa no maior roubo já tentado: os sobreviventes ficam com tudo.

Zack contou com uma equipe relativamente pequena nas filmagens.

Army of The Dead: Invasão em Las Vegas tem direção de Zack Snyder (que também é o diretor de fotografia) com roteiro de Snyder, Shay Hatten e Joby Harold. O filme é produzido por Deborah Snyder, p.g.a.; Wesley Coller, p.g.a.; Zack Snyder, p.g.a.

  • Elenco: Dave Bautista, Ella Purnell, Omari Hardwick, Ana De La Reguera, Theo Rossi, Matthias Schweighöfer, Nora Arnezeder, Hiroyuki Sanada, Garret Dillahunt, Tig Notaro, Raúl Castillo, Huma Qureshi, Samantha Win, Richard Cetrone e Michael Cassidy.

Estreia em 21 de maio de 2021, na Netflix.

Após o lançamento do tão esperado "Liga da Justiça de Zack Snyder" , o diretor está pronto para um novo passo. Nos últimos dias, S...

Liga da Justiça | O roteirista, Chris Terrio, diz que a versão de 2017 foi um ato de vandalismo



O roteirista Chris Terrio, vencedor do Oscar com "Argo", quebra o silêncio de cinco anos para Vanity Fair e é brutalmente honesto sobre os lançamentos nos cinemas dos dois filmes que roteirizou: "Batman vs. Superman" e "Liga da Justiça".

O corte teatral de 2017 de Liga da Justiça foi um ato de vandalismo. Zack Snyder pode ser muito cavalheiro para dizer isso, mas eu não sou.

Terrio diz "BvS" e "Liga da Justiça" foram prejudicados por intromissões corporativas, planejamento de franquia pobre e decisões de estúdio surdas que optaram por cenas VFX caras, em vez de contar histórias coerentes.

(...) Assisti (Liga da Justiça de 2017) algumas semanas antes do lançamento. Imediatamente liguei para meu advogado e disse: "Quero tirar meu nome do filme". [O advogado] então ligou para a Warner Bros. e disse a eles que eu queria fazer isso.

Após o ocorrido, Terrio não foi convidado para a estreia e nunca mais assistiu ao filme. Seu nome não foi removido da versão de 2017 porque impressões já haviam sido feitas, os elementos estavam a caminho e, para remover seu nome, eles teriam que refazer as cópias físicas e digitais, e o filme poderia ser adiado. Seria um escândalo internacional e uma notícia. Então, Terrio preferiu se calar e não disse nada publicamente.
 
Nunca disse nada sobre Liga da Justiça desde então, mas o filme não representa meu trabalho. (...) Eu acho que isso (falar sobre na época) teria criado uma onda inteira de publicidade negativa, que tornaria a situação ainda pior para os atores.

Ele acrescenta que Zack Snyder frequentemente apoiava seus esforços para explorar as falhas dos super-heróis. O estúdio, disse ele, preferiu evitar pesadas consequências morais.

Sobre o filme "Batman vs. Superman", o roteirista foi franco sobre tentar dar sentido aos heróis guerreiros do filme, transformando sua luta em uma metáfora para uma América dividida, enquanto tentava consertar elementos que ele também considerava absurdos ou ofensivos. Funcionários do estúdio, então, exigiram que 30 minutos fossem retirados do corte dos cinemas, provavelmente porque tempos de exibição mais curtos significam mais exibições diárias, muitas vezes resultando em maiores receitas de bilheteria. Terrio disse que esse ato sabotou a narrativa.
 
Zack Snyder, Ben Affleck e Chris Terrio no set de "Batman vs. Superman".
 
Se você tirasse 30 minutos de "Argo", como eles fizeram em "BvS", não faria sentido algum. Os críticos diriam, "que roteiro preguiçoso", porque os personagens não têm motivações e não é coerente. E eu concordaria com eles.

Até mesmo o título "Batman vs Superman: A Origem da Justiça" foi um desastre, disse ele.
 
Eu escrevi rascunhos do filme Batman/Superman, que não se chamava 'Batman vs Superman: A Origem da Justiça' por mim. Não dei o nome ao script. Na verdade, descobri como o filme se chamaria junto com o público, na internet. Não fui consultado sobre o título do filme e fiquei tão surpreso quanto qualquer um. Eu não o teria chamado assim.

Questionado se o nome do filme foi uma escolha de Zack Snyder, Terrio desacredita.
 
Não sei exatamente quem deu o nome, mas suspeito do estúdio e suspeito que fosse marketing, para ser honesto com você. Pode ter sido o primeiro passo para criar má vontade com o filme. Suspeito que colocar as palavras 'Batman' e 'Superman' no título teve algum componente de marketing. (...) Eu ouvi e pensei: soa muito importante e sem noção de certa forma. A intenção do filme era fazer algo interessante, sombrio e complexo, não exatamente como uma luta de WWE como Batman x Superman: A Origem da Justiça.
 
Terrio esperava que Liga da Justiça fosse uma experiência melhor. Ele estava muito errado.

Chris, também, aponta que uma das vítimas da versão de Joss Whedon para "Liga da Justiça", foi Ray Fisher que interpretou o Ciborgue. Terrio disse ter criado o personagem para essa história em estreita colaboração com o ator, e mostra-se muito satisfeito com a justiça feita com Snyder Cut.

Estou muito feliz e aliviado que todos esses milhares de artistas, finalmente, puderam ter seus trabalhos vistos pelo público, e todo o trabalho que Zack e os atores colocaram nisso agora podem ser vistos. É uma espécie de presente que recebemos da HBO Max, porque não seria possível alguns anos atrás. (...) O desempenho de Willem Dafoe na história de Aquaman, obviamente a personagem Iris West (Kiersey Clemons) e, mais centralmente, a atuação de Ray Fisher como Ciborgue. Ele sempre foi o coração do filme para mim e significou muito pessoalmente, porque muito do meu coração e da minha vida foram colocados nessa história. Essa é a coisa sobre essa versão da Liga da Justiça, que nada disso foi feito de forma cínica ou para pegar dinheiro, ou uma tentativa de vender brinquedos. Foi realmente pessoal para mim, para Zack e para muitos dos atores.

O roteirista, vencedor do Oscar, está feliz com o lançamento da "Liga da Justiça de Zack Snyder" e a versão remasterizada de "Batman vs. Superman (Edição Definitiva)". Ambos os filmes disponíveis na HBO Max. Por ser a visão deles, acrescenta o roteirista, aceitará qualquer elogio ou crítica que receber.

O roteirista Chris Terrio , vencedor do Oscar com "Argo" , quebra o silêncio de cinco anos para Vanity Fair e é brutalmente hones...